A EVOLUÇÃO DO HOMEM.

Atualizado: 26 de Ago de 2018


DICIONÁRIO:

A – TEORIA: a palavra vem do grego (THEORÍA) e significa ação de contemplar, olhar, examinar e especular. O senso comum sobre TEORIA apresenta o conceito de uma ideia vaga ou mera especulação sem uma comprovação científica definitiva. Sob o ponto de vista da ciência, a definição de TEORIA é diferente e o termo pode ser aplicado nas mais diversas áreas: é um conhecimento descritivo que abre possibilidades para especulações. No conceito moderno de TEORIA na área Corporativa, são interpretações ou propostas sobre Administração.


B – CONTEXTO: um contexto, segundo Houaiss (2001, p. 817) é a “inter-relação de circunstâncias que acompanham um fato ou uma situação”. No trabalho do administrador, o CONTEXTO é uma organização com todas as suas inter-relações. E os conceitos da Administração são os seus meios para poder agir.


C – ENFOQUE: é a ação de pôr em foco, de enfocar, de restringir a atenção, concentração e o interesse. É o modo de considerar, abordar ou entender um assunto ou questão, ponto de vista ou perspectiva. O ENFOQUE na área Corporativa é o aspecto particularizado ou uma forma de se estudar a empresa.


D – ESCOLA: é uma linha de pensamento ou um conjunto de autores ou estudiosos que fizeram uso de um mesmo ENFOQUE.


O Homem é um animal Racional e... Administrativo.

O INÍCIO DA CIVILIZAÇÃO:

É necessário retornar no tempo para avaliar a origem e a evolução da Administração. Quando o homem primitivo deixou de ser nômade e passou a ser sedentário, sua relação mais favorável com o meio ambiente permitiu uma transformação significativa. Os bandos de nômades que sobreviviam da coleta e da caça foram dominando a natureza, aprenderam a domesticar animais e iniciaram a prática da agricultura.


Com o passar do tempo, houve a constituição de tribos vivendo em aldeias próximas aos rios (aproveitando a água e a terra fértil e produtiva para o plantio) e com casas feitas em barro, adobe (tijolos de terra, água e palha) ou madeira.


Em consequência, com a maior disponibilidade de alimentos e com a melhoria das condições de vida, houve o aumento da população e novas situações surgiram nas aldeias primitivas. O processo de produção é orientado pela tradição e pelo costume, sem a ideia do lucro e a organização das tarefas segue critérios como o sexo, habilidade e faixa de idade.

Surge a Divisão do Trabalho e as especialidades. Um grupo se dedicava à agricultura, outro cuidava do rebanho, outro era encarregado da defesa da aldeia, outro composto por mulheres cuidava da prole e das atividades domésticas, etc.


O comando era de caráter patriarcal a cargo do homem mais velho, o primeiro Gerente (o Gestor) a começar a organizar, mesmo dentro de um grupo restrito, o que seria uma forma rudimentar de ADMINISTRAÇÃO da aldeia.


Além do comando, ele acumulava o papel de feiticeiro (parte espiritual), juiz (praticava a justiça e resolvia as eventuais desavenças) e professor (o EDUCADOR que transmitia o conhecimento adquirido com os antepassados).


A reunião de diversas famílias se constituiu em Clãs, a reunião de diversos Clãs, formaram as Tribos e a reunião de diversas Tribos viria a formar futuramente os primeiros “Estados” da Antiguidade. A união destes grupos era mais forte e coesa em comparação com os primitivos agrupamentos humanos que atuavam isoladamente.


AS TROCAS E O COMÉRCIO:

O trabalho organizado gerou excedentes de produção. E, mesmo com o objetivo de formar reservas para consumo futuro, muito do que era produzido acabava se perdendo.


Por outro lado, nenhuma aldeia chegou a alcançar a AUTOSSUFICIÊNCIA na produção: não havia especialistas para todos os tipos de tarefas e habilidades ou então sua capacidade produtiva era limitada. Então, teve início as trocas de excedentes com as outras aldeias. O que uma aldeia produzia em excesso passou a servir como meio de troca para satisfazer outros tipos de necessidades de outra aldeia: vasilhas de barro, artesanato, roupas, utensílios diversos, sementes, etc.

A necessidade de se trocar ou procurar produtos em outras aldeias, por vezes bem mais distantes, deu início à atividade comercial com diversos artigos fáceis de transportar. Os produtos eram levados em caravanas ou navios rudimentares para serem negociados por outros que se julgava ter valor similar.


Se não houvesse interesse na troca, pura e simples, sementes eram usadas como moeda (cada tipo de semente possuía um determinado valor). Mas, isto não significa que no entendimento destes povos primitivos não houvesse uma ideia clara de reciprocidade nas trocas e que os indivíduos não consideravam a proporção de valor entre os bens trocados.


De início o comércio se processava por simples troca. Posteriormente pelo uso do gado (pecúnia) como unidade de troca, ou por meio de artigos valiosos facilmente transportáveis, tais como os metais (cobre e posteriormente ouro e prata). O aparecimento de mercadores especializados deveu-se à necessidade de se adquirir produtos em regiões distantes e transformou a atividade valorizada.


Muitas vezes o relacionamento não era de forma pacífica e surgiram rivalidades:

● – Outras aldeias (que faziam concorrência) produziam excedentes melhores ou de maior interesse.

● – As negociações nas trocas não chegaram a bom termo.

● – As disputas pelas melhores terras e outras vantagens geraram conflitos.

● – A parte derrotada normalmente era eliminada. Então os vencedores perceberam que era mais conveniente aproveitar a força da mão de obra ou o conhecimento acumulado dos sobreviventes aprisionados. Os vencidos se tornaram uma mercadoria bem mais interessante: Escravos.


O PROGRESSO:

Os séculos foram passando e surgiram novas técnicas que permitiram a fabricação de utensílios, instrumentos diversos, adornos, peças de cerâmica, armas, canoas, jangadas, etc. O uso de metais (inicialmente o bronze – obtido pela fundição do cobre e do estanho) veio a substituir a pedra polida. A História continuou avançando e as sociedades se transformaram e mudaram seu modo de vida:


● – O desenvolvimento do comércio e das cidades tornou inevitável o uso da escrita, dos processos de contagem, registros, dos padrões de medida e do calendário que foram sendo melhorados com o tempo.

● – A escrita cuneiforme dos Sumérios (na Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates – aproximadamente por volta de 4.000 a.C.) e os hieróglifos egípcios são exemplos de REGISTROS.

● – Para atender a população cada vez maior e com necessidade de alimentos, as tribos passaram a fazer uso da agricultura irrigada, mais produtiva, aproveitando as planícies dos grandes rios.


● – Com a busca de produtos em regiões distantes a formação de caravanas.

● – O desenvolvimento do comércio e da vida urbana em geral tornou inevitável a invenção dos processos de contagem, padrões de medida e do calendário.


A CONTABILIDADE:

Esta Ciência é tão antiga quanto a Civilização. Os controles rústicos nas sociedades primitivas protegiam, asseguravam e controlavam a posse dos bens (o INVENTÁRIO).

Os homens registravam, no ponto de vista quantitativo, os rebanhos e os objetos analisando e controlando num determinado período de tempo as variações ocorridas na sua riqueza (PATRIMÔNIO). Assim, a origem da Contabilidade é ligada à necessidade do REGISTRO das atividades comerciais.


AGRICULTURA, TRABALHO COLETIVO E AS CIDADES:

As enchentes periódicas dos rios deixavam nas margens uma camada de húmus que favorecia o aproveitamento da terra. Entretanto, os rios que fertilizavam o solo e serviam de acesso às fontes de matérias primas precisavam ser controlados e os pântanos drenados, o que exigia a cooperação entre os homens.


A abertura de canais de irrigação, a construção de represas e poços eram obras que requeriam o trabalho coletivo da população de várias aldeias para o melhor aproveitamento das águas. Exigiam também uma direção centralizada, capaz de dividir e racionalizar tarefas.


A necessidade de centralização levou ao aparecimento de um CENTRO ADMINISTRATIVO reunindo as aldeias surgidas em torno do templo do principal deus da comunidade. Ali era armazenada a produção excedente das aldeias e à sua volta viviam as pessoas que se dedicavam à administração, ao comércio e ao artesanato.


Os sacerdotes (herdeiros dos “feiticeiros” das aldeias neolíticas), intérpretes da vontade dos deuses, assumiram a função de dirigentes das cidades. Exerciam tarefas de muita importância como a distribuição das águas e sementes, a supervisão das colheitas e a armazenagem dos grãos. E obtinham boa parte das terras e da produção para o pagamento de impostos devidos aos deuses.


A DIVISÃO DO TRABALHO, AS DESIGUALDADES SOCIAIS, O ESTADO:

Além do desenvolvimento da agricultura e da DIREÇÃO CENTRALIZADA dos trabalhos coletivos de irrigação, outros fatores contribuíram para transformar as aldeias em cidades. As técnicas de trabalhar metais (ouro, prata, bronze) se desenvolveram e se tornaram especialidades como joalheiros e ferreiros.


Com o surgimento das cidades também houve a possibilidade de se organizar um transporte mais eficaz de grandes quantidades de produtos e de matérias primas. Os habitantes das cidades precisavam receber com regularidade alimentos vindos dos campos ou de regiões mais distantes.


Portanto, era indispensável obter em florestas e montanhas a madeira, metais e até as pedras para as construções. Essas necessidades deram um grande desenvolvimento aos meios de transporte e foram ampliando o comércio.

As canoas primitivas foram aperfeiçoadas até se transformarem em navios, capazes de transportar artigos mais volumosos. E o uso da vela e dos remos ampliou o raio de ação do comércio marítimo.


Nas cidades os habitantes passam a serem classificados de acordo com sua função, incluindo os sacerdotes, os escribas, os mercadores, os artesãos, os soldados, os camponeses, os escravos domésticos e estrangeiros.


A divisão do trabalho e as desigualdades de riquezas entre os cidadãos criaram a necessidade de leis e de forças capazes de fazer cumprir as leis. A liderança natural do grupo, que nas aldeias era exercida pelos mais velhos e sábios, cedeu lugar ao governo de um só homem, geralmente o principal ADMINISTRADOR do templo ou um grande chefe guerreiro, surgindo assim a cidades-estados.


Por volta de 3.500 a.C. as cidades dos vales dos rios Nilo, Tigre e Eufrates já constituíam civilizações com governo centralizado num rei e no trabalho baseado na servidão dos camponeses.

Em 3.200 a.C. MENÉS unifica Alto e o Baixo Egito, torna-se Faraó e funda o primeiro império do mundo.


O Estado possuía auxiliares como funcionários públicos, militares, fiscais, sacerdotes e escribas para que o governo pudesse ser conduzido .





29 visualizações
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
ENTRE EM CONTATO
  • Grey Google+ Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon