1 – FERRAMENTAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

Atualizado: Jan 31


INTRODUÇÃO:

Não há alternativa. No presente, o nível de competição exige cada vez mais que as empresas estejam em busca da QUALIDADE TOTAL dos seus produtos/serviços. A ideia, válida para qualquer ramo de atividade, solicita o uso de FERRAMENTAS com controles gráficos, tabelas ou métodos estruturados para diversas análises. Assim, é possível chegar à QUALIDADE TOTAL.


As FERRAMENTAS, que podem ser utilizadas em todas as áreas da empresa, são caminhos lógicos que contribuem para identificar problemas e permitem...


●... análises práticas de processos e fatos que auxiliam na TOMADA DE DECISÃO.


●... eliminar GARGALOS, suas causas e efeitos.


●... criar planos de ação e de correção.


●... avaliar, controlar ou prever resultados.


●... priorizar ações, preventivas ou corretivas.


●... um melhor atendimento às necessidades dos consumidores.


AS FERRAMENTAS DE GESTÃO DA QUALIDADE:

A literatura sobre QUALIDADE TOTAL traz várias alternativas de FERRAMENTAS que, em alguns casos, provocam discordância entre os estudiosos. Mas, antes de qualquer iniciativa, é preciso desenvolver um plano de trabalho determinando critérios, em que os possíveis erros possam ser detectados, e ações que evitem sua ocorrência.


Entretanto, na grande maioria das empresas, há a cultura do improviso e ações corretivas sem os cuidados devidos (justificados pelo custo financeiro ou amarrações políticas internas e externas). Os problemas detectados nem sempre são eliminados e, futuramente, se tornarão ainda mais complexos.


As principais FERRAMENTAS DE GESTÃO DA QUALIDADE são: Diagrama de ISHIKAWA (ou Diagrama de Causa e Efeito e Metodologia 6M), PODC, 5W2H, Análise SWOT, BRAINSTORM, BRAINWRITTING, Fluxogramas, Gráficos Demonstrativos, Gráfico de Controle (ou Carta de Controle), Histograma, Carta de Tendência, Folha de Verificação, Diagrama de Pareto, Diagrama de Correlação, Estratificação e PDCA.


1 – GRÁFICOS:

Mostram dados estatísticos de forma simples, clara e objetiva, para fácil compreensão de dados ou valores numéricos. A partir dos anos 50, os gráficos passaram a ser de uso mais frequente como instrumentos para identificar, medir, analisar e propor soluções.

● GRÁFICOS DEMONSTRATIVOS:




● Gráfico de SEGMENTO ou Gráfico de LINHAS: traz dados de forma simples, clara e objetiva.









● Gráfico de BARRAS VERTICAL e HORIZONTAL: apresentam os dados por retângulos e analisa projeções no período determinado.





















● Gráfico de PIZZA (ou Gráfico de Setores): expressa informações em circunferência, fracionada num diagrama, trazendo dados percentuais, divididos em setores que exibem o tamanho de cada parte da informação (frações de um todo em comparação com o total).


2 – GRÁFICOS DE CONTROLE:

Também é conhecido por Cartas de Controle. Apresenta faixas estabelecidas como limites de controle com uma Linha Superior, uma Linha Inferior e uma linha média denominada Limite Central.


São utilizados para apontar tendências de pontos, num determinado período para companhar o processo. Determina estatisticamente dados numa faixa denominada Limite de Controle, limitada pela linha superior (Limite Superior de Controle) e pela linha inferior (Limite Inferior de Controle) e uma linha de Limite Médio.


O objetivo é verificar se o processo está dentro dos padrões, evidenciando causas especiais de variação e a necessidade de medidas corretivas diminuindo retrabalho, perdas e maiores custos de produção.

3 – HISTOGRAMA:

É um modelo de gráfico de barras, desenvolvido por ANDRÉ-MICHEL GUERRY, que mostra a variação sobre faixas específicas. Descrevem e analisam dados das mais diversas áreas e apresentam um mapa, em que regiões individuais são representadas por cores diferentes, com base em alguma variável. São aplicados para analisar dados comparando um parâmetro em função de outro.



4 – CHECKLIST:

Vem do inglês e pode ser entendido como "lista de verificações". Trata-se de um instrumento de controle contendo um conjunto de condutas, nomes, itens ou tarefas que devem ser lembradas e/ou seguidas. O CHECKLIST pode ser aplicado em várias atividades e frequentemente ele é usado para inspeções, observações detalhadas de controle e segurança.

“ALÉM DAS FERRAMENTAS AQUI DESCRITAS, EXISTEM OUTRAS QUE SERÃO ABORDADAS EM UM PRÓXIMO TEXTO”.


Sugestão de Leitura:

POSSARLE, ROBERTO. Ferramentas da Qualidade. Editora SENAI-SP, São Paulo, 2018.


CARVALHO, MARLY. Gestão da Qualidade. Editora CAMPUS ELSIVIER. Edição 1ª, São Paulo, 2012.


BIRKINSHAW, JULIAN; MARK, KEN. 25 Ferramentas de Gestão. Editora Alta Books, Edição 1ª, Rio de Janeiro, 2018.


BASSAN, EDILBERTO. Gestão da Qualidade: Ferramentas, Técnicas e Métodos. Editora Edilberto Bassan, Edição 1ª, Curitiba, 2018.


CARPINETTI, LUIZ CESAR RIBEIRO; CARDANO, GEROLAMO. Gestão da Qualidade ISO 9001: 2015. Editora Atlas. Edição 1ª, São Paulo, 2019.


LOBO, RENATO NOGUEIROL; DA SILVA DAMIÃO LIMEIRA. Gestão da qualidade: Diretrizes, ferramentas, métodos e normatização. Editora Érica, Edição 1ª, São Paulo, 2014.


8 visualizações
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
ENTRE EM CONTATO
  • Grey Google+ Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon