1 – Fayolismo – TEORIA CLÁSSICA da ADMINISTRAÇÃO.


INTRODUÇÃO:

Tem sido comum ouvir algumas opiniões afirmando que nos próximos anos, o desenvolvimento tecnológico deverá extinguir a Administração. Ela é até considerada, por alguns mais afoitos, como uma Ciência ultrapassada para o mundo moderno.

Contudo, os mais ponderados discordam e consideram que a TECNOLOGIA é um MEIO e não a FINALIDADE do trabalho.

Administrar é uma atividade comum a qualquer ação humana.


Portanto, por mais que a TECNOLOGIA avance, todas as formas de organização ou tipos de empresa terão que Administrar: coordenar atividades variadas, dirigidas tipos distintos de problemas e tomar decisões certas. É o caminho para alcançar objetivos pelo uso adequado de recursos disponíveis, com a gestão positiva dos Recursos Humanos, produtividade etc.


Para ser competitiva e bem sucedida, cada empresa requer uma equipe de Administradores, distribuídos nos níveis da hierarquia, em várias áreas, com diversas especialidades e funções para estabelecer um conjunto de esforços integrados e homogêneos.


E é a Ciência da Administração que possibilita o “MOVER” eficiente de todas estas circunstâncias, pela sua visão ampla de todos os cenários. Mesmo considerando o valor da teoria desenvolvida por FREDERICK TAYLOR, o horizonte da Administração pode se tornar ainda maior graças a HENRI FAYOL.


O FAYOLISMO:

1 – A VISÃO DO TODO – A ESSÊNCIA DA TEORIA CLÁSSICA:

A TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO (ou FAYOLISMO ou TEORIA CLÁSSICA), criada por HENRI FAYOL, partiu da visão da empresa como um TODO e do estudo da sua estrutura (a forma e a disposição como as partes que a compõe estão organizadas).

DA DIREÇÃO PARA A EXECUÇÃO: a base é o pensamento de um Diretor ou de um Gerente. É uma proposta diferente do Taylorismo (desenvolvida por um técnico) e do Fordismo (desenvolvida por um empresário).

FAYOL idealizou as principais funções da Administração, conhecidas por PO3C, para que um GESTOR tenha uma administração eficaz. É necessário Planejamento, Organização, Comando, Coordenação e Controle para garantir a eficiência das partes envolvidas (departamentos, seções, etc. ou mesmo os ocupantes de cargos).

2 – DE CIMA PARA BAIXO:

Assumindo o papel de Gerente ou Dirigente, FAYOL estudou inicialmente a figura do Gestor, o Administrador, priorizando o seu enfoque sobre o trabalho gerencial.


A análise é nos aspectos da empresa como um TODO e a sua estrutura de CIMA PARA BAIXO (da gerência para a produção).

O SEGREDO DOS ÊXITOS DE FAYOL: se TAYLOR tinha sempre o seu cronômetro á mão, os êxitos de FAYOL não se deviam às suas qualidades pessoais, mas aos métodos que empregava (diariamente anotava todos os fatos importantes).


3 – DIVIDINDO E DIFERENCIANDO:

FAYOL dividiu e diferenciou funções técnicas e comerciais criando princípios para estruturar qualquer tipo e qualquer tamanho de empresa em qualquer ramo de atividade. Deste modo, separou a função administrativa das demais identificando o trabalho dos Administradores (um corpo administrativo) e dando ênfase à gerência.


Portanto, uma empresa não se limita apenas aos equipamentos, processos, matéria prima e máquinas. Mas, principalmente, na função administrativa focada na busca da máxima eficiência.


4 – O PROCESSO ADMINISTRATIVO (PA):

FAYOL desenvolveu uma abordagem conhecida como PROCESSO ADMINISTRATIVO (PA) ou GESTÃO ADMINISTRATIVA. Foi uma de suas grandes contribuições: a ADMINISTRAÇÃO passa a ser uma disciplina e uma profissão, que poderia ser ensinada por meio de uma TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO.


5 – A ADMINISTRAÇÃO COMO UMA CIÊNCIA:

As teorias que surgiram no final do Século XIX e início do Século XX ganharam importância ao substituir o EMPIRISMO e a IMPROVISAÇÃO por técnicas científicas. Até então, a produção e a administração não tinham nenhum tipo de estudo para a sua melhoria. O momento, bem favorável, exigiu a produção em larga escala, mas de modo organizado e controlado.


Ao considerar a Administração como uma CIÊNCIA, FAYOL acreditou na necessidade de que ela deveria estar no mesmo nível de ensino que a Engenharia. O seu ensino, organizado e metodológico, formaria ADMINISTRADORES a partir de suas aptidões e qualidades. Da mesma forma que TAYLOR, ele demonstrou que através da ciência e de métodos adequados de gerência, os resultados podem ser muito mais positivos.


FAYOL mostrou que muitos conteúdos do ensino superior eram ultrapassados e os planos de ensino deveriam ser modificados. Também fez outras apreciações, sobre o excesso do estudo da matemática, afirmando que a escrita tinha maior valor. E também via o ensino técnico, por ser profissionalizante, com maior medida do que o ensino primário. E criticou os métodos de certas faculdades, mostrando a forma como isso interferia no sistema organizacional.


O FAYOLISMO se espalhou rapidamente pela Europa logo após o fim da I Guerra Mundial, ganhou popularidade e ficou conhecido como "uma escola de chefes" ("uma escola de gerentes”).


6 – A ORGANIZAÇÃO LINEAR:

A ORGANIZAÇÃO FORMAL, considerada como sendo essencial pela TEORIA CLÁSSICA, tinha por fundamento a ORGANIZAÇÃO LINEAR, concepção influenciada por antigas formas de organização, rígidas, hierarquizadas e tradicionais (organização Militar e Eclesiástica).


FAYOL era da opinião que a ORGANIZAÇÃO LINEAR, um dos tipos mais simples de organização, era a mais adequada para ser eficiente, pouco importando o tamanho da empresa. É um tipo de estrutura organizacional que apresenta a forma de pirâmide no qual os órgãos que a compõem seguem rigidamente a autoridade de comando.

7 – OS PRINCÍPIOS DA AUTORIDADE LINEAR:

● – Unidade de Comando: o indivíduo possui apenas um superior.


● – Unidade de Direção: um só programa para um conjunto de operações. Todos os planos devem ser integrados aos planos maiores que conduzem a organização.


● – Centralização da Autoridade: deve estar centralizada no topo.


● – Cadeia de Comando: autoridade estabelecida em uma hierarquia de forma que todo nível hierárquico esteja subordinado ao nível hierárquico superior (também conhecido por Cadeia Escalar).


8 – CADEIA DE COMANDO:

Para FAYOL a COORDENAÇÃO é a reunião, a unificação e harmonização de toda a atividade e esforço. Quanto maior a organização (a estrutura) maior será a DIVISÃO DO TRABALHO e maior a necessidade de COORDENAÇÃO para garantir a eficiência.


9 – A ORGANIZAÇÃO FORMAL:

A TEORIA CLÁSSICA excluía todas as influências do fator humano e considerava apenas o aspecto FORMAL em qualquer tipo de organização. A ênfase está na estrutura em busca da máxima eficiência organizacional.


Uma empresa tem que ser organizada, num sistema planejado de esforço cooperativo, oficialmente adotado. O aspecto FORMAL significa rigor e se caracteriza por um organograma, normas, métodos e processos de trabalho.

Cada um dos participantes tem papel definido a ser desempenhado, com deveres e tarefas a executar. No FAYOLISMO, a estrutura é estática e limitada com a forma rígida, aumentando a eficiência com a disposição dos órgãos e suas inter-relações em sinergia.

10 – AS FUNÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA:

Ao analisar a empresa como um TODO, FAYOL aborda a Administração diferenciando 6 FUNÇÕES BÁSICAS e essenciais para qualquer empresa:


● – Funções Administrativas: relacionadas com a integração das outras cinco funções. É a única que tem a capacidade de planejar e coordenar esforços e as demais funções. Deste modo, ao separar e diferenciar as Funções Administrativas das demais, FAYOL identificou o trabalho dos Administradores.


As Funções Administrativas devem estar distribuídas por todos os níveis da empresa, sem estar restrita à alta cúpula (o topo da pirâmide). Portanto, não era privilégio da diretoria, sendo proporcional a todos os níveis.


● – Funções Técnicas: relacionadas com a produção de bens ou de serviços da empresa.

● – Funções Comerciais: relacionadas com a compra, venda e permuta.

● – Funções Financeiras: relacionadas com a busca e gerenciamento de capitais.

● – Funções de Segurança: relacionadas com a proteção e preservação dos bens e das pessoas.

● – Funções Contábeis: relacionadas com inventários, registros, balanços, custos e estatísticas.

11 – A DIVISÃO DO TRABALHO E A ESPECIALIZAÇÃO:

A empresa ou qualquer tipo de organização deve se caracterizar por uma Divisão do Trabalho. E, desta forma, ela é a BASE da organização e a própria RAZÃO da organização. Quanto maior a DIVISÃO DO TRABALHO, maior a eficiência, especialização e diferenciação de tarefas (empresas com elevada DIVISÃO DO TRABALHO seriam mais eficientes).


TAYLOR se preocupava com a divisão do trabalho no nível do operário, dividindo as TAREFAS. Por sua vez, FAYOL se preocupava com a divisão no nível dos órgãos que compõem a organização, como departamentos, divisões, seções, etc.

















3 visualizações
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
ENTRE EM CONTATO
  • Grey Google+ Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon